MENU

Search
Close this search box.
3fd9a932-1f42-4685-8bae-54134e154943

CAT expande projetos de restauração de áreas de APP com plantio de espécies nativas

Compartilhe nas redes sociais

O Cat realiza o acompanhamento constante das áreas de restauro, para verificar de perto o andamento dos projetos e acompanhar o crescimento e o desenvolvimento das mudas e a recuperação das áreas. 

 

A preocupação com as consequências do desenvolvimento acelerado e com os efeitos das variações climáticas traz à tona um entendimento global quanto à necessidade de mudanças na maneira de se produzir para que seja sustentável, de modo a não comprometer o futuro e com baixo impacto ambiental. Para isso é preciso repensar o modo de agir em todos os setores produtivos, buscando uma melhor qualidade da saúde humana, proteção do meio ambiente e a garantia dos direitos humanos, com melhores condições de trabalho de quem opera no setor.

O CAT Sorriso – Clube Amigos da Terra é uma entidade que trabalha para buscar atingir os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), atendendo os pilares do PCI – Produzir, Conservar e Incluir. Desenvolvendo a segunda etapa do projeto Cultivando Vida Sustentável, a entidade está engajada com a proteção do meio ambiente e da biodiversidade, o apoio às boas práticas agrícolas, a garantia de alimento e água potável para as futuras gerações, a responsabilidade social, a conscientização sobre o consumo responsável, o apoio à produção de energia limpa, entre outras ações.

Nesse sentido, atendendo o pilar “Conservar”, o Clube Amigos da Terra tem o foco de promover a restauração de áreas de preservação permanente (APPs) que sofreram algum impacto ou alteração por processos de ocupação do passado, e que precisam que suas condições ambientais e ecológicas sejam reconstituídas por meio do reflorestamento e da conservação de vegetação nativa. Áreas essas, localizadas em propriedades rurais no município de Sorriso, que servem como modelo de restauração para outros agricultores, através de unidades demonstrativas.

Fazenda Santa Maria da Amazônia – a primeira Vitrine Tecnológica

A primeira unidade demonstrativa de restauração a ser implantada pelo CAT Sorriso, por meio do Projeto Sorriso Vivo, com o plantio de mudas de espécies nativas, foi a Vitrine Tecnológica de Reposição Florestal instalada na Fazenda Santa Maria da Amazônia. A propriedade de 14.000 hectares, inicialmente voltada para a pecuária, sofreu uma transformação significativa nas últimas décadas, passando para o cultivo da soja e milho, tendo 6 mil hectares de reserva legal e 8 mil hectares de área produtiva. A propriedade é considerada uma das maiores produtoras de grãos do país, tendo como objetivos produzir alimentos, de modo a garantir o futuro e preservar a natureza.

Como surgiu o projeto Sorriso Vivo

      

O diretor técnico do CAT Sorriso, Alfeo Trecenti, relembra como o projeto Sorriso Vivo surgiu. Segundo ele, em 2005, havia uma cobrança dos órgãos ambientais do estado, especialmente da SEMA – Secretaria de Estado de Meio Ambiente, em relação à recuperação de áreas degradadas, e recomposição das matas ciliares: “Nós do CAT decidimos buscar apoio de entidades parceiras para desenvolver um projeto que pudesse servir de modelo de recuperação ambiental no município. Procuramos então um técnico ambiental (o Everaldo), que já tinha conhecimento na área e atuava em Nobres, na produção de mudas para recuperação de usinas. Resolvemos fazer a restauração de uma área na sede da Fazenda Santa Maria da Amazônia, no entorno de uma represa que precisava ser recuperada. Ele coletou, nas margens do rio, as sementes para produção de mudas de espécies nativas da região. Foram colocadas plantas primárias, secundárias e terciárias, com espaçamento adequado, tudo dentro de uma concepção técnica, seguindo as normas da SEMA”.

Desde o plantio até o crescimento das árvores, o projeto já recebeu visitas de milhares de escolas públicas e particulares, em parceria com a Secretaria Municipal de Educação.  Além disso, a vitrine também recebeu representantes de empresas, instituições e ONGs do exterior, interessados em conhecer as boas práticas agrícolas. Os alunos do Colégio São José, recentemente realizaram uma visita, por meio do Projeto O Agro na Escola, cujo objetivo pedagógico foi  aprender na prática os conceitos trabalhados em sala de aula, sobre reflorestamento, o bom uso do solo, a proteção das nascentes e os bons métodos agrícolas, entre outros aspectos da propriedade.

As visitas acontecem guiadas por professores, pela equipe do CAT e pelo dono da propriedade. “O CAT promove constantemente palestras sobre Educação Ambiental, ciclo da água, produção responsável, importância das nascentes e o valor das matas ciliares. Esse projeto serviu como modelo para os produtores para se inspirarem e também fazer seus projetos de recuperação. É um projeto que deu muito certo, como uma grande contribuição do CAT e seus parceiros para Sorriso e região”, finalizou Alfeo.

 

Darcy Ferrarin – um produtor rural focado em produzir e preservar

 

 

Produtor rural Darcy Getúlio Ferrarin acompanhando e orientando estudantes durante visita à Vitrine de Reposição Florestal na Fazenda Santa Maria da Amazônia.

 

O proprietário da Fazenda Santa Maria da Amazônia e fundador do CAT, o produtor rural Darcy Getúlio Ferrarin é um grande defensor do Plantio Direto e da Integração-Lavoura-Pecuária-Floresta. Ele defende também a preservação das APPs e a proteção das cabeceiras de água e reforça a importância da visita de estudantes à Vitrine Tecnológica. “Nós ficamos muito felizes em trazer as crianças para explicar para elas sobre a relevância da preservação ambiental, isso deveria ser matéria obrigatória de escola. Porque se nós não tivermos meio ambiente, não há vida”.

Darcy Ferrarin ressalta o trabalho desenvolvido pelo CAT Sorriso também para a recuperação de nascentes. “Nós do CAT sempre fizemos esse trabalho, não só com relação a levar alunos para nossa Vitrine Tecnológica, mas também sobre o incentivo do Plantio Direto, que é uma maneira extraordinária de conservação do solo, evitando a erosão, preservação dos nossos rios, que estavam sendo assoreados. Enfim, são diversas medidas que estamos tomando, como o reflorestamento de cabeceiras das nascentes de água. Acredito que esses alunos que hoje estão tendo a oportunidade de irem até a nossa Vitrine Tecnológica e ver que o produtor brasileiro está cuidando, está preservando, se preocupando com as questões ambientais, principalmente no que se refere à água potável. Isso é um bem muito mais valioso, que tem que ser preservado. Mas para isso, é preciso uma conscientização de toda sociedade”.

 

Fazenda S’antana –  o restauro de uma área afetada pelo fogo

 

Diversos outros produtores certificados também realizaram plantios de mudas em suas propriedades e agora, o CAT está fazendo o acompanhamento dessas áreas. Como por exemplo, a Fazenda S’antana, que recebeu projeto de restauro, com o plantio de mudas. A fazenda é de propriedade da produtora rural Dudy Paiva. Ela fala sobre a importância do projeto de restauração executado numa área de 3 hectares que se tornou mais uma unidade demonstrativa, e o que isso significa em termos de recuperação para áreas afetadas por um incêndio que atingiu a fazenda, vindo de outras propriedades. “A restauração na nossa propriedade está sendo de tamanha relevância, sabemos que daqui a alguns anos teremos uma floresta, onde um dia não tínhamos nenhuma árvore por conta de um acidente ambiental”.

 

Visita de estudantes da Rede Municipal de Ensino à Vitrine de Reposição Florestal na Fazenda S’Antana.

 

Dudy também comenta o que isso representa para as gerações futuras, e para os estudantes que visitam a área. “A Vitrine de Reposição Florestal recebe a visita de muitos alunos, que também ajudam no plantio de mudas, sempre com acompanhamento e orientação de professores e da equipe do CAT. Só assim, com todo o cuidado, com essa parte da educação ambiental, temos a certeza que o meio ambiente será preservado. A nossa esperança é que esses alunos continuem com esse olhar voltado para a preservação do meio ambiente. O CAT tem feito toda a diferença junto com os parceiros”.

 

         

 

 

A escolha das sementes e produção das mudas

 

           

           

 

O reflorestador ambientalista, Everaldo Ferreira de Barros, da empresa Ecodamata Ambiental participou do projeto Sorriso Vivo em 2005, sendo o responsável pela produção e plantio das mudas. Ele relembrou como foi esse momento. “Fui convidado pelo senhor Darcy Ferrarin para produzir e plantar em torno de 6.000 mudas, de 60 espécies diferentes, em 5 hectares, na área localizada em frente  à sede da fazenda, onde foi implantada a Vitrine Tecnológica do projeto Sorriso Vivo. Cada muda tinha uma placa de identificação, com nome da espécie para mostrar aos produtores rurais, aos alunos de escolas públicas, privadas e faculdades e para a mídia como fazer a recuperação de uma área degradada.  O CAT fazia escalas de visitas quinzenais e semanais de grupos de alunos com palestras sobre a preservação, restauração e a recuperação ambiental “.

Everaldo salientou que a partir desse projeto, outros muitos produtores rurais realizaram projetos de restauração de seus passivos ambientais. “A partir de 2006 até 2010, com a instalação do viveiro de produção de mudas, houve uma procura impressionante de pessoas interessadas em aderir ao programa Sorriso Vivo. Cerca de 2 milhões de mudas  já foram plantadas. Nos últimos 15 anos, Sorriso é o que mais recuperou áreas de APP. Somos campeões de produção e temos o meio ambiente preservado graças a essas ações. A partir dessa iniciativa, tivemos outros produtores que também fizeram projetos de recuperação no município de Sorriso e em municípios vizinhos. Claro que ainda existem muitos pontos a serem recuperados. Mas isso é uma minoria, cerca de 20% dos produtores rurais que ainda tem áreas degradadas, cerca de 80% já recuperaram seus passivos ambientais e estão aptos a qualquer tipo de certificação”.

 

Acompanhamento pela equipe do CAT

 

Visita de alunos do Colégio São José à Vitrine de Reposição Florestal na Fazenda Santa Maria da Amazônia.

 

Atuando no CAT Sorriso como auxiliar de campo, a engenheira agrônoma Luciana Pereira, ressalta sobre o objetivo do CAT ao realizar os projetos de restauro: “O objetivo do CAT é promover a produção responsável, de modo que os produtores certificados possam produzir, sem precisar desmatar e preservando o meio ambiente, sempre buscando a sustentabilidade. Alguns produtores precisam fazer o PRAD, outros têm áreas que precisam ser recuperadas, onde são implantados os projetos de restauro, com o plantio de espécies nativas para restaurar a biodiversidade. E esse é o objetivo do CAT, o desenvolvimento da nossa região, com sustentabilidade”.

Além de ajudar nos plantios, Luciana visita regularmente as áreas de restauração, para verificar de perto o andamento dos projetos e acompanhar o crescimento e o desenvolvimento das mudas e a recuperação da biodiversidade. Esse acompanhamento é importante para avaliar o progresso das áreas de restauração. Ela conta que sente muita satisfação em desenvolver esse projeto: “Nós levamos as crianças que ajudaram nesse plantio lá atrás e algumas pessoas nos relataram que estiveram no plantio na Santa Maria da Amazônia, em 2005 como alunos e, que hoje retornam como professores. Agora eles levam a trena, medem e veem o crescimento das plantas, isso é muito gratificante. É uma satisfação poder ver tudo isso como está hoje, pra nós é muito emocionante”.

Luciana faz um convite aos produtores que queiram se certificar ou fazer áreas de restauração: “Para o produtor que precisa fazer uma área de restauro, aquele produtor que deseja fazer a certificação de sua fazenda, a gente trabalha com a certificação soja e milho, temos também nossos projetos de restauro e estamos abertos para todos que quiserem nos procurar pra saber se enquadram nos nossos projetos de certificação ou de restauro. O CAT também está em busca de parceiros que tenham interesse em nos ajudar, colaborar, financiando nossos projetos que nos procurem para mais informações”.

        

          

     

 

Sobre o CAT Sorriso

As atividades do CAT são desenvolvidas através do Projeto Cultivando Vida Sustentável, desenvolvido em parceria com a Cargill e a Idh. As ações ajudam a cumprir metas previstas no Pacto PCI – Produzir, Conservar e Incluir – um acordo multiatores em torno de uma visão voltada ao desenvolvimento sustentável do território. O objetivo do projeto é alavancar a produção de soja sustentável, promover a restauração de áreas degradadas e oferecer assistência técnica para agricultores familiares na região de Sorriso, em Mato Grosso.

O CAT Sorriso é uma associação sem fins lucrativos que reúne produtores rurais e se esforça pelo desenvolvimento tecnológico em harmonia com o meio ambiente. Com 21 anos de atuação, o Clube Amigos da Terra preza pela transparência de suas ações voltadas à preservação do meio ambiente, reconhecendo e valorizando a família do campo, construindo e consolidando trabalhos com resultados comprovados. O CAT Sorriso conta com o apoio da Cargill e da Idh na realização de seus projetos. Para saber mais, acesse: www.catsorriso.org.br.

Assessoria de Comunicação Cat Sorriso
Tâmara Figueiredo | (66) 99995 – 7316| [email protected]