CAT Sorriso 20 anos
Imagem Restauração Ambiental - propriedade Osmar

A importância da restauração ambiental e seus desafios

Compartilhe nas redes sociais

No dia 14 de dezembro a equipe do Projeto Cultivando Vida Sustentável, desenvolvido pelo CAT Sorriso em parceria com a IDH, e o IFMT-Sorriso promoveram no lote 103 – propriedade do agricultor de hortaliças, Osmar Cunha – uma atividade de restauração ambiental em uma área de nascente de 1.800m². Na ocasião, foram plantadas espécies nativas primárias e secundárias, como a embaúba, o angico, o baru (castanha), o paricá e outros.

O objetivo principal foi reestabelecer a função ambiental da área, possibilitando que o produtor, no período de crescimento das espécies, cultive o mamão que vai lhe oferecer ganhos econômicos, e, desta forma, aliar a preservação ambiental com os rendimentos da agricultura familiar.

No decorrer das décadas, o principal desafio dos agricultores foi o de desbravar e derrubar a mata, para assim, estabelecer os cultivos necessários para a produção de alimentos. Durante este período, por falta de orientação técnica, desconhecimento e necessidade, em especial, de acesso a água, foram desmatadas áreas de proteção ambiental permanente, que hoje terão que ser reconstituídas.

Para tal fim, o Código Florestal Brasileiro permite a utilização dos Sistemas Agroflorestais (SAFs), que otimizam o uso da terra conciliando a preservação ambiental com a produção de alimentos, conservando o solo e diminuindo a pressão pelo uso da terra para a produção agrícola.

Os SAF’s podem ser utilizados para restaurar florestas e recuperar áreas degradadas, sendo assim permitidos em Áreas de Reserva Legal (ARL), Áreas de Proteção Ambiental de Pequenas Propriedades (APPs) ou posse rural familiar, Áreas de Uso Restrito (AUR) com declividade entre 25° e 45° e Áreas Consolidadas. No entanto, o plantio de espécies exóticas com espécies nativas de ocorrência regional não pode ultrapassar de 50% da área total a ser recuperada.

Neste contexto, a atividade de recuperação da área degradada se desenvolveu normalmente com a participação dos técnicos do CAT/IDH, dos professores e alunos do IFMT-Sorriso, e dos familiares da propriedade. Durante o dia, eles puderam trocar informações técnicas sobre o cultivo e aproveitar um almoço degustado por todos os participantes.