Visitas já atenderam 30 produtores para promover desenvolvimento sustentável e cooperação

Produtores do Assentamento Jonas Pinheiro recebem orientações técnicas em mutirões solidários

Compartilhe nas redes sociais

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no print
Compartilhar no email

As ações do Projeto Cultivando Vida Sustentável seguem reforçadas pelo CAT Sorriso. Com o objetivo de somar mais frentes para agregar valor à agricultura familiar, com desenvolvimento sustentável e cooperação, os mutirões realizados no Assentamento Jonas Pinheiro, na cidade de Sorriso, levam conhecimentos, orientações técnicas e auxílio operacional aos produtores.

Em quatro mutirões, 30 produtores já receberam a equipe responsável pelo projeto, que chegou reforçada pelas parcerias com a Prefeitura de Sorriso, Viveiro Sorriso, Universidade Federal do Mato Grosso (UFMT), Faculdade Centro Mato-grossense (FACEM) e a Escola Técnica Estadual de Educação Profissional e Tecnológica de Sinop-Secitec.

Objetivo é promover desenvolvimento sustentável e sólido, além de valorização

 

 

 

 

 

 

 

 

 

“O Projeto Cultivando Vida Sustentável do CAT/IDH tem por princípio a construção de parcerias duradouras, como as que estão acontecendo com a Prefeitura de Sorriso, Universidades, Escola Técnica e várias instituições, para somar com o nosso trabalho do dia a dia. Essa união é muito importante para agregar e atender os produtores, que precisam de assistência e de mecanismos para o desenvolvimento sustentável, sólido e a valorização”, explica a presidente do CAT, Dudy Paiva.

Entre as ações, estão a limpeza da propriedade (limpeza de terreno e recolhimento de reciclados), estudo do solo e orientação de manejo de campo (instalações de irrigação a adubação ou plantio, de acordo com a propriedade), além de capacitações.

Foi desenvolvida uma capacitação ‘Preparo de substrato’, com orientações do professor João Carlos, da Escola Técnica de Sinop, sobre temperatura adequada durante o processo de preparação, insumos que podem ser utilizados e manejo para um substrato de qualidade. O professor explicou sobre o uso de resíduos e materiais que são produzidos nas propriedades, utilizando galhos picados, folhas, esterco (bovino ou avícola), resíduos orgânicos domésticos, proporcionando economia aos produtores de hortaliças e promovendo a bioeconomia.

Produtores participaram de capacitações

 

 

 

 

 

 

 

Em outro mutirão, o professor João Carlos também ministrou capacitação sobre ‘Preparação, multiplicação e aplicação de Microrganismos Eficientes (EM)’, iniciando com a preparação de iscas para coleta dos microrganismos, em que foi utilizado arroz cozido acondicionado em pedaços de bambu que posteriormente foram distribuídos na mata da propriedade para coletar fungos e bactérias presentes na serapilheira.

Na segunda parte, 10 dias depois, foram recolhidas as iscas feitas no bambu e separados, pela cor, os microrganismos da mata. Os microrganismos “benéficos” foram utilizados na preparação de uma solução para multiplicar e armazenar os EMs.

Para o preparo, o arroz com microrganismos foi misturado com açúcar mascavo e água, essa mistura foi colocada em garrafas PET de 2 litros, o produtor ficou responsável em fazer a retirada do gás no período de quinze dias para uso posterior.

Homeopatia – Nos mutirões, um dos objetivos é levar aos produtores conhecimentos sobre maneiras de cultivo sem o uso de agroquímicos ou utilizando o menos possível. Uma ferramenta de produção para atingir esse objetivo é o uso de Homeopatia, em conjunto com outras práticas como cultivo diversificado de hortaliças, adubos verdes, plantas medicinais e aromáticas.

A homeopatia trabalha o equilíbrio do ambiente agrícola, auxiliando as plantas a resistirem ao ataque de insetos e doenças, assim como também, estimula as plantas na absorção de nutrientes e resistirem a condições de cultivos não favoráveis.

Em todos os mutirões foram realizadas aplicações para preparo do solo, no transplantio das mudas e no desenvolvimento das plantas nos canteiros. Os produtores que seguiram as orientações no manejo das áreas do Engenheiro Agrônomo, especialista em homeopatia, Rogelho A. Trento ligado ao projeto, tiveram excelentes resultados na colheita de alimentos com melhor qualidade nutricional e sem o uso de agroquímicos.

Jair Kotz, subsecretário da Agricultura Familiar Márcio, e professora Rafaella da UFMT

 

 

 

 

 

 

 

Entre uma visita e outra, o Coordenador do Projeto na Agricultura Familiar dentro do CAT Sorriso, Jair Kotz, e as equipes buscaram informações com os agricultores. Ele explica que se observaram alguns gargalos comuns no assentamento como: a falta de acesso ao crédito, a falta de mão de obra e pouco estímulo para atuação conjunta.

“Essa situação enfraquece as ações da comunidade frente às adversidades do dia a dia, com o agravante do embargo e condição jurídica do Jonas Pinheiro, a qual impossibilita os produtores a requerer financiamentos subsidiados pelo Governo. Porém, estamos otimistas que este último será amenizado devido à Lei de Fundo de Aval, que foi implementada no município de Sorriso, através do Projeto Cultivando Vida Sustentável, em parceria com a Prefeitura, e que, em breve, resultará no microcrédito rural”, garante Jair Kotz.

Próximas ações – De acordo com Dudy Paiva, além da continuidade dos mutirões solidários no Assentamento Jonas Pinheiro, os próximos trabalhos serão visitas aos produtores de propriedades modelos em SAF (Sistema Agroflorestal) e manejo orgânico; apoio aos programas da Prefeitura e ao Rural Sustentável (MAPA); organização de um dia de campo com palestras sobre solo e plantas medicinais e PANC’S; apoio às reestruturações das feiras do município, levando conhecimento, principalmente, sobre as normas vigentes da vigilância sanitária sobre Boas Práticas na segurança alimentar; mobilização para implementação de um sistema ILPF no assentamento; entrega dos planos de negócios para os produtores e oficinas em prol do fomento do associativismo.

Assistência: equipe do CAT e parceiros já visitaram 30 produtores durante os mutirões