fbpx
normal_thumbnail_aula_2

No Dia da Árvore, produtor rural e fundador do CAT salienta os benefícios desse importante recurso natural

Compartilhe nas redes sociais

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no print
Compartilhar no email

As árvores, sem sombra de dúvidas, trazem inúmeros benefícios para o meio ambiente, para os animais e para os seres humanos. O produtor rural e fundador do CAT Sorriso – Clube Amigos da Terra, Darcy Getúlio Ferrarin comentou a respeito do dia 21 de setembro, data em que se comemora o Dia da Árvore.

Ele salientou os benefícios que as árvores trazem, além de absorverem o gás carbônico (CO2) e liberarem oxigênio, colaboram para o controle das temperaturas, melhorando a qualidade e umidade do ar. Darcy Ferrarin falou sobre os benefícios das árvores para a preservação dos rios, lagos e cursos d’água. “É uma coisa tão importante porque a árvore é vida. Eu sempre falo que o planeta Terra sem água não tem vida, vira um deserto. E o que mais protege nossas águas, nossas nascentes são as matas. É muito importante para mantermos a quantidade e qualidade de nossas águas. Toda a cabeceira de água, que não tiver mata o seu redor, ela seca. Nossos rios se não tiver mato ao seu redor, bem protegido, não vou dizer que secam, mas reduzem em 60% a quantidade de água. O Pantanal, por exemplo, que eu conheço bem, tem uma quantidade de água que impressiona o mundo, só que lá também tem muitas árvores, tem muitos Igarapés que filtram e protegem a nossa água.”

 Darcy Ferrarin salienta que além disso, as árvores servem de abrigo e de alimento para animais “O que que seriam das espécies de animais silvestres, se não fossem a nossas restingas, se não fosse o cerrado brasileiro, se não fossem a nossas matas? Certamente nós não teríamos tantas espécies de animais. É lá que eles vivem, é lá que eles se reproduzem, é lá que eles se alimentam através de frutas, sementes, de flores onde as abelhas se alimentam e produzem muito alimento para o ser humano também. Então veja bem a importância que temos de preservar nossas matas, nossas reservas. É extremamente importante também para nós seres humanos, o bem que faz para nós as árvores. Aqui em Sorriso, que é uma cidade onde eu moro há 20 anos, que eu adoro, que admiro, temos aqui uma cidade muito bem arborizada, os parques bem cuidados e quem anda de madrugada por aí a pé pode ver a quantidade de pássaros que habitam a nossa cidade. E por que eles estão habitando aqui? Porque temos árvores para eles sobreviverem, para eles se alimentarem de frutos e sementes. Então a árvore é a base da vida de tudo.”

Os produtores rurais também vêm se conscientizando cada vez mais, como salienta Ferrarin, principalmente cumprindo com a legislação em manter suas reservas de matas em pé. “A classe produtora está entrando agora numa consciência geral, porque nós temos uma legislação ambiental e temos que estar inseridos nela. O que fizer fora da legislação ambiental tem que ser punido. E o produtor sabe disso e nós estamos fazendo esse trabalho de certificação das propriedades.  Já certificamos 27 fazendas de nossa cidade e região. E se estão certificadas significa que estão cumprindo a legislação ambiental, o caminho é esse e o produtor sabe disso.   O CAT está sendo extremamente procurado por fazendeiros, que também querem entrar na certificação, porque além de ficar com tranquilidade com a SEMA e com o IBAMA, ele sabe que tá dentro da legislação.”

Darcy Ferrarin é um grande defensor do meio ambiente e da recuperação de áreas degradadas e tem em sua propriedade, na Fazenda Santa Maria da Amazônia, uma vitrine experimental onde crianças acabam visitando e conhecendo de perto a importância desse trabalho e principalmente a importância do plantio de espécies nativas para recuperação de áreas.  “Quando o CAT criou a vitrine foi com o objetivo de fazer uma parceria com a Secretaria Municipal de Educação, para que as escolas pudessem levar os alunos para lá. Porque eu principalmente entendo que o Brasil tem que mudar sua cultura com relação às questões ambientais e isso começa nas escolas e nas crianças. Nós de cabeça branca já não somos fáceis de mudar, queremos caçar ou pescar em qualquer época, mas isso tem que mudar.  E essa mudança parte das escolas e das crianças. E estamos fazendo muito bem esse trabalho, as escolas tem indo lá. Desde o início do projeto, em 2005 até o momento, já passaram por lá mais de 30 mil alunos, olhando a nossa vitrine e além de biólogos, engenheiros agrônomos, professores muito ligados às questões ambientais, que estão mostrando para as crianças e adolescentes a importância da preservação e de plantar árvores de espécies nativas.”