fbpx
normal_8f6e81e5-7ca3-4f1e-b2d4-d5076176f66d

Produtores de orgânicos trocam experiências em visita à propriedade

Compartilhe nas redes sociais

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no print
Compartilhar no email

Uma vez por mês está sendo realizada uma reunião entre os agricultores familiares que fazem parte da APOS – Associação dos Produtores de Orgânicos de Sorriso. Cada vez, o encontro é realizado em uma das propriedades dos associados, sempre supervisionado e orientado pelo consultor em Agroecologia do SEBRAE, Glaucinei Brissow Realto.

A última reunião, realizada no dia 01/05, aconteceu na propriedade da produtora Marecilda Ludwig Carvalho, que também é presidente da APOS. Na propriedade se planta de tudo um pouco, hortaliças, verduras, legumes, frutas, também há algumas galinhas e cabeças de gado bovino e até um tanque com peixes (sistema irriga fértil)

Glaucinei avaliou positivamente o encontro que deverá percorrer todas as propriedades que fazem parte da associação e teve por objetivo promover a troca de experiências e conhecimentos sobre a produção de orgânicos, bem como as tecnologias empregadas dentro da propriedade, tempo e forma de cultivo, maquinários utilizados, quantidade de água e sol, tipos de controle de insetos e pragas, etc. para que, conhecendo a realidade do vizinho, o agricultor possa saber o que pode ser aplicado também na sua propriedade.

Nós temos feito essas reuniões pensando em disseminar mais o conhecimento porque assim, os associados se conhecem mais, se um faz alguma coisa diferente que serve para o outro, isso é visto durante as visitas. Estamos organizando todo mês uma visita em uma propriedade para falar sobre orgânico, o dono da propriedade apresenta, fala o que ela sente sendo produtor, há quanto tempo está na atividade, se está indo para onde quer chegar, seguir seu sonho na produção orgânica. Depois apresenta a propriedade para gente conhecer, mostra o que faz a tecnologia que usada e nisso já surgem dúvidas e trocas de conhecimento que acabam enriquecendo muito o grupo”.

Estamos apenas na segunda reunião, queremos na próxima rodada, começar a tratar temas específicos, como a adubação verde, adubação orgânica, fertilidade do solo, controle biológico, entre outros. Vamos definir o tema para trabalhar no próximo encontro, sempre vai ter coisa nova para se conhecer nas propriedades. Se o produtor foi lá esse mês, no outro mês tem coisa nova. Então a gente vai continuar fazendo essas reuniões.

O consultor percebe por meio das reuniões quais são as principais demandas a serem atendidas para melhor aplicar a assessoria técnica “A gente consegue visualizar se precisamos entrar mais com técnicas e trazer mais coisas por meio da troca de informação. A cada assunto que surge, uma dúvida que é do grupo e a partir dessa pergunta a gente entra no assunto e explana mais coisas, aprofundando o conhecimento”.

Segundo Glaucinei, existem várias formas de desenvolver uma atividade e o produtor tem que verificar aquilo que encaixa melhor: “A gente não pode tachar uma tecnologia de certa ou errada, temos várias formas de fazer uma mesma atividade. O que a gente tem que fazer e principalmente quando se trata de agricultura familiar e orgânica é não sair julgando de certa ou errada. O agricultor deve adaptar, trabalhar com a tecnologia mais apropriada para aquele momento que a propriedade está. Por isso em uma propriedade pode estar sendo feito de uma forma e em outra propriedade de outra”.

Segundo ele, é importante que haja uma diversificação de atividades dentro da propriedade para que ela seja autossustentável “Quando a gente trabalha com orgânico, a gente busca uma alimentação mais saudável e de uma forma diversificada. E para melhorar nossa alimentação e depois para o comércio também. O cliente está interessado em comprar diversidade mesmo ele não quer comprar só alface orgânica, ele quer uma beterraba, uma batata-doce, milho, mandioca, a abobrinha, o tempero. Toda essa linha orgânica. Então a gente tem que trabalhar a diversificação. Não esperamos que uma só propriedade atenda toda essa diversidade. Mas ela tem que atingir o máximo de diversidade e somando com as outras pode aumentar mais ainda essa diversidade que facilita todo processo”.

Lenira Arsego, secretária executiva do CAT Sorriso, disse que “É gratificante saber que o projeto está se desenvolvendo bem e está ocorrendo um avanço muito grande do grupo que faz parte do projeto” “Gente Que Produz e Preserva”. A prova disso é a procura de novos produtores em estar fazendo parte do projeto.

O projeto “Gente que Produz e Preserva”, do Clube Amigos da Terra, o CAT, é desenvolvido em parceria com o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE-MT), Prefeitura Municipal com apoio da WWF Brasil. Mais informações podem ser obtidas junto ao CAT Sorriso – que fica localizado em sala anexa ao Sindicato Rural de Sorriso. Telefone 3544 – 3379.