fbpx
caapaaaaaaa

Chacareiras participam de palestra sobre Criação de Frango Caipira

Compartilhe nas redes sociais

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no print
Compartilhar no email

O engenheiro agrônomo do Sebrae, Glaucinei Brissow Realto proferiu palestra sobre a “Criação de Frango Caipira”, voltada a chacareiros de Sorriso nessa quarta-feira, 14/11. A palestra faz parte de um projeto que é desenvolvido pelo Clube Amigos da Terra – CAT Sorriso em parceria com o SEBRAE e a Prefeitura Municipal de Sorriso, através da Secretaria Municipal de Agricultura e Meio Ambiente.

O objetivo foi esclarecer o que caracteriza a criação de frango caipira, de acordo com Circular Técnica do Ministério da Agricultura que diz o que precisa ter, como deve ser a criação de frango para ser considerado frango caipira. “A gente mostrou desde a linhagem adequada para essa criação, a ração que é permitida na criação de frango caipira, como devem ser as instalações, o tamanho dos piquetes, alimentos alternativos, controle sanitário, toda essa parte a gente mostrou para que o agricultor, tendo em vista esse projeto da secretaria possa decidir se quer fazer ou não na propriedade”.

O engenheiro agrônomo chamou a atenção para que o produtor ofereça as aves alimentação e água de qualidade. “É importante que a água oferecida seja de qualidade, uma água que serviria até para o consumo humano, não é porque é um animal que ele vai beber qualquer tipo de água. Se eu quero que ele seja um animal resistente à doenças, que não fique tendo doenças, que eu tenha um controle melhor, eu tenho que fornecer uma água de boa qualidade né?”

Segundo Glaucinei, A criação de frango caipira é uma atividade muito rentável, principalmente quando ela não é desenvolvida de forma isolada, mas é integrada a outras atividades. “O frango caipira chega para ajudar aquele que tem uma horta e precisa de esterco, que tem restos de verdura ou de fruta, que tenha um pomar de fruta, que tenha sobra de fruta ou de verdura, que tenha sombra também que o frango precisa, a pastagem que nasce naturalmente embaixo de um pomar, que o agricultor tem que ficar roçando, o próprio frango caipira pode fazer esse manejo, adubar e ainda aproveitar as sobras de produtos que tenham ali”.

O secretário Márcio Kunh também esteve presente no evento e falou sobre a continuidade do projeto para criação e abate de frango caipira. O projeto prevê um abatedouro que deverá ser instalado numa parceria público-privada. “O Ministério Público está assinando um TAC com os pequenos produtores para não vender mais o frango sem ter o processo de licença de inspeção municipal. A ideia é que com a assistência técnica e esse projeto de forma simples é fazer com que eles se capacitem no processo de produção, posteriormente a segunda parte é a questão do abatedouro para que eles consigam abater de forma organizada, da forma que a legislação permite e possam estar vendendo nos mercados locais. Com isso vamos ampliar o mercado de venda, hoje só se vende na feira, em casa, enfim, vamos ampliar o projeto para que eles possam estar vendendo além das feiras, nos mercados locais, que não permitem hoje por causa do sistema de inspeção municipal

Segundo o secretário, deverão ser feitas visitas às propriedades e o cadastramento dos interessados. “A primeira fase é instigar o produtor nesse sentido dele ver se esse projeto, a forma como vai ser feito, se ele se encaixa na propriedade. Esse é o primeiro passo. O segundo passo é um cadastramento e um curso de capacitação sobre o negócio na propriedade e ver se para ele vai ter lucro, depois fazer as visitas e depois vai se encaixando sucessivamente através de se encaixar o produtor na adequação da propriedade”.