thumb_01549de9-0ce9-4216-acee-a70e5d757e33

Artigo: “Início do ciclo de plantio da soja: fornecendo cadeias de suprimentos sustentáveis”

Compartilhe nas redes sociais

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no print
Compartilhar no email

Recentemente, uma pesquisa da agência Reuters divulgou que o Brasil deve superar a marca de 120 milhões de toneladas de soja na safra 2018/19, com aumento de 2,8% da área plantada. Se concretizado, esse número representará um novo recorde que destaca a posição de liderança do país na exportação desse grão.

A Associação Internacional de Soja Responsável (RTRS) trabalha para que a produção, o processamento e a comercialização do grão sejam realizados cumprindo os padrões mais rigorosos, transparentes e holísticos em matéria de certificação ambiental e social.

Para se tornar um produtor RTRS e obter uma certificação, é necessário seguir os cinco princípios básicos: cumprir as leis e as boas práticas de negócios, oferecer boas condições de trabalho, respeitar e criar vínculos com as comunidades locais, cuidar do meio ambiente e adotar boas práticas agrícolas.

Na próxima safra, a RTRS deve certificar quatro milhões de toneladas de soja no mundo; em apenas quatro anos, o volume anual de soja certificada pela entidade mais que triplicou. Ou seja, a quantidade de soja produzida aumentou em vários milhões de toneladas, sem que essa produção causasse qualquer desmatamento. Vale ressaltar que o padrão RTRS proíbe explicitamente toda a conversão de terras naturais – incluindo o bioma Cerrado.

Diante desse cenário, no último dia 12 de outubro, o supermercado Lidl UK (nosso associado) anunciou a compra de créditos RTRS para cobrir toda a sua pegada de soja no Reino Unido, com o objetivo de criar cadeias de suprimentos sustentáveis que protejam o meio ambiente e, ao mesmo tempo, ofereçam produtos de alta qualidade. Um grande marco para o setor, a Lidl investiu em fazendas no Maranhão (Brasil) que adotam os padrões RTRS de desmatamento zero em seus critérios e princípios, como a proibição do trabalho infantil e da escravidão moderna e o reconhecimento do salário mínimo, entre outros aspectos relevantes de impacto social, ambiental e econômico.

Acreditamos que os governos e o setor privado devem desenvolver incentivos e instrumentos econômicos para recompensar os esforços dos agricultores para conservar áreas de vegetação nativa – mesmo em locais onde a limpeza da vegetação é permitida – e apoiar iniciativas como a citada acima.

Podemos oferecer a solução, pois o nosso compromisso com a abertura e com o trabalho flexível nos torna absolutamente fundamentais para transformação do futuro do setor da soja.

Em Sorriso a certificação é feita por meio do CAT Sorriso. Os interessados em fazer parte do projeto devem entrar em contato com o CAT que fica na sala anexa ao Sindicato Rural de Sorriso. O telefone para informações é o (66) 3544-3379.

Visite também o nosso site www.catsorriso.com.br nele é possível conhecer o projeto e ter acesso ao guia passo a passo para se tornar um produtor de soja RTRS