capa

Fazendas certificadas de Sorriso pelo RTRS passam por auditoria

Compartilhe nas redes sociais

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no print
Compartilhar no email

O CAT – Clube Amigos da Terra Sorriso finalizou o processo de auditoria das fazendas certificadas RTRS, acompanhando de perto o andamento dos trabalhos nas propriedades. Auditores da “Control Union”, certificadora autorizada pela RTRS, estiveram visitando de 21 a 31 de agosto, as fazendas que estão em processo de certificação no padrão de qualidade RTRS. A auditoria foi realizada em sete propriedades selecionadas dentre as 25 fazendas certificadas em Sorriso e região.

O objetivo da auditoria externa é verificar toda parte estrutural e documental das propriedades e checar se todos os itens exigidos para se enquadrar no padrão RTRS estão sendo seguidos. No total, são mais de 100 itens a serem cumpridos, como toda documentação, a parte ambiental, armazenagem e destinação correta de resíduos, boas práticas agrícolas, outorgas, na área trabalhista, uso de EPIs, horas trabalhadas, convenções trabalhistas, entre outros.

No caso de descumprimento de algum item, é gerado um relatório de não conformidade e o produtor tem um prazo de 30 dias para se adequar. De acordo com informações do engenheiro agrônomo do CAT Sorriso, Luiz Salcher, em média, se leva até três anos para o cumprimento total de todos os itens exigidos. “Nossas fazendas certificadas já vem cumprindo a maioria dos itens exigidos, um ou outro que podem ser melhorados, o auditor nos orienta como a propriedade pode melhorar ainda mais na questão da organização e anotações da fazenda para entrar no padrão”.

São dois grupos de propriedades, totalizando 56 mil hectares de plantio de soja, o primeiro grupo, de 18 fazendas já estão mais adiantados no processo, com 4 anos de certificação. O segundo grupo com 7 propriedades, estão com cerca de 2 anos de adesão.

Vantagens:

Os produtores já começaram a ter bons resultados por conta da certificação “Após entrar nos padrões de certificação, a maioria dos produtores já começam a perceber as vantagens em todas as áreas da propriedade, como a diminuição de riscos de acidentes, melhorias na gestão da fazenda, melhora a gestão de gastos, combustível, insumos. “A gente nota nas propriedades mais antigas, a satisfação é maior, a gente vê eles falando que a organização da fazenda ficou melhor, tanto na parte ambiental, trabalhista e no controle de gastos como combustível, insumos. E na parte de segurança do trabalho, diminuindo o risco de acidentes, além de criar e desenvolver um vínculo com as comunidades locais em projetos de extensão, como o de agroecologia. Uma outra grande vantagem é o incentivo que alguns bancos oferecem para fazendas certificadas, como juros menores”.

Bonificação:

Um incentivo a mais da certificação vem com a venda de créditos. O primeiro grupo de propriedades já teve acesso aos créditos. E o segundo grupo já possui créditos na plataforma. “Os créditos vêm como um bônus, valorizando a certificação. Já houve dois anos seguidos que toda produção gerada através dos créditos, conseguia ser vendida. Hoje as fazendas ainda possuem créditos a serem comercializados na plataforma. A tendência é que consigam ser vendidos pois, ano a ano está aumentando o número de compradores ao redor do mundo que querem que a soja seja certificada através do selo RTRS. Essa bonificação está variando de 2 a 3 dólares a mais por cada tonelada de soja produzida”.

A certificação, que teve início em 2013, é feita pelo CAT – Sorriso (Clube Amigos da Terra), por meio do Programa Gente que Produz e Preserva. O Clube Amigos da Terra está à disposição dos interessados em fazer parte do projeto. O CAT fica localizado em sala anexa ao Sindicato Rural de Sorriso e o telefone de contato é o (66) 3544-3379. Visite também o site www.catsorriso.com.br, onde há um guia do passo a passo para se tornar um produtor de soja RTRS.

Sobre a RTRS

A Certificação RTRS garante que a soja – na forma de matéria-prima ou subproduto – seja originária de um processo ambientalmente correto, socialmente adequado e economicamente viável. Desta forma, existem evidências de que os produtos são derivados de uma gestão responsável da produção da soja.

A certificação tem validade de 5 anos e baseia-se no Padrão RTRS de Produção de Soja Responsável, um esquema que inclui requisitos que devem ser cumpridos por qualquer produtor que busque certificação de conformidade com este padrão.