CAPA

RTRS, BASF e Amaggi realizam estudo sobre benefícios concretos da certificação da soja

Compartilhe nas redes sociais

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no print
Compartilhar no email

Estamos trabalhando em conjunto com empresas comprometidas, como a BASF e a Amaggi, para acelerar a produção, comercialização e logística da soja sustentável através do profundo conhecimento dos impactos que a certificação RTRS tem para o produtor, a sociedade e todos os atores envolvidos. Nesse contexto e com esse objetivo, estamos trabalhando em um projeto para definir indicadores prioritários em nível de produtor e desenvolver um sistema consistente de monitoramento e avaliação que possa ajudar a acompanhar o progresso, proporcionar mais transparência, medir e monitorar para, finalmente, gerar informações de alta qualidade que ajudem a diminuir o processo de tomada de decisões”, afirma Marcelo Visconti, Diretor Executivo da Associação Internacional de Soja Responsável (RTRS).

O estudo foi aplicado pela Fundação Espaço ECO® (FEE®), organização instituída pela BASF para medir e avaliar a sustentabilidade por meio de metodologias desenvolvidas e reconhecidas internacionalmente. Foram entrevistados 32 produtores de soja certificada pela RTRS nas regiões de Mato Grosso, Goiás e MATOPIBA (com foco nos estados de Maranhão e Bahia) e 12 representantes de outros setores da cadeia de valor, como exportadores, indústrias, sociedade civil, entre outros.

A BASF acredita nos benefícios da certificação RTRS para o agricultor. E o estudo vem demonstrar que esse processo traz ganhos reais de produtividade, redução de custos e mais segurança, o que contribui para aumentar o potencial competitivo da soja brasileira”, afirma Daniela Ferreroni, gerente de Comunicação e Sustentabilidade da Unidade de Proteção de Cultivos da BASF no Brasil.

Entre os impactos positivos percebidos após a certificação, os produtores veem como benefício imediato a melhora na organização geral da fazenda, tanto na infraestrutura como nos processos internos. A segurança em relação à interpretação e ao cumprimento da legislação foi frequentemente mencionada. Também foi verificado que os produtores têm utilizado os créditos recebidos pela soja certificada para investir em capacitação e treinamentos dos seus funcionários.

Os outros setores como exportadores, indústrias e sociedade civil entendem que a certificação é uma ferramenta importante para o gerenciamento de riscos, garantindo a origem responsável da soja, respondendo à legislação dos países importadores e aumentando a transparência na cadeia de suprimentos.
Também gera valor em termos de imagem e reputação, demonstrando compromisso com exigências de mercado e acionistas. Além disso, impulsiona o desenvolvimento da cadeia de valor e a melhoria contínua, facilitando o diálogo entre públicos de diferentes setores.

A Amaggi foi a primeira empresa do mundo a receber a certificação da RTRS. “Para o grupo, as certificações são essenciais para agregar valor à cadeia e garantir que os clientes estão comprando um produto ambiental, social e economicamente correto”, afirma Juliana Lopes, diretora de Sustentabilidade e Comunicação da Amaggi.

O diagnóstico feito também mostrou que os principais desafios para a certificação estão relacionados à mudança de mentalidade e engajamento dos envolvidos no processo, o desenvolvimento de uma visão de gestão mais robusta dentro da fazenda, bem como a necessidade de enxergar os custos de adequação geral como investimentos de longo prazo.

Em Sorriso a certificação é feita através do projeto Gente que Produz e Preserva, do Clube Amigos da Terra (CAT Sorriso). Atualmente são 17 propriedades certificadas e 8 em processo de certificação no padrão internacional RTRS, que comprova que o agricultor produz, mas também se preocupa com o meio ambiente.

Contato:

O Clube Amigos Da Terra está aberto para receber novos produtores interessados em fazer parte do Projeto Gente que Produz e Preserva. O CAT fica na sala anexa ao Sindicato Rural de Sorriso e o telefone de contato é o (66) 3544-3379.

Visite também o nosso site www.catsorriso.com.br nele é possível conhecer o projeto e ter acesso ao guia passo a passo parasse tornar um produtor de soja RTRS.

Com o propósito de diagnosticar como a certificação gera a sustentabilidade em toda a cadeia agrícola, a Associação Internacional de Soja Responsável (RTRS) em conjunto com a BASF e o Grupo Amaggi realizaram um estudo para verificar os benefícios ambientais, sociais e econômicos da certificação RTRS em fazendas de soja certificada no Brasil.

Estamos trabalhando em conjunto com empresas comprometidas, como a BASF e a Amaggi, para acelerar a produção, comercialização e logística da soja sustentável através do profundo conhecimento dos impactos que a certificação RTRS tem para o produtor, a sociedade e todos os atores envolvidos. Nesse contexto e com esse objetivo, estamos trabalhando em um projeto para definir indicadores prioritários em nível de produtor e desenvolver um sistema consistente de monitoramento e avaliação que possa ajudar a acompanhar o progresso, proporcionar mais transparência, medir e monitorar para, finalmente, gerar informações de alta qualidade que ajudem a diminuir o processo de tomada de decisões”, afirma Marcelo Visconti, Diretor Executivo da Associação Internacional de Soja Responsável (RTRS).

O estudo foi aplicado pela Fundação Espaço ECO® (FEE®), organização instituída pela BASF para medir e avaliar a sustentabilidade por meio de metodologias desenvolvidas e reconhecidas internacionalmente. Foram entrevistados 32 produtores de soja certificada pela RTRS nas regiões de Mato Grosso, Goiás e MATOPIBA (com foco nos estados de Maranhão e Bahia) e 12 representantes de outros setores da cadeia de valor, como exportadores, indústrias, sociedade civil, entre outros.

A BASF acredita nos benefícios da certificação RTRS para o agricultor. E o estudo vem demonstrar que esse processo traz ganhos reais de produtividade, redução de custos e mais segurança, o que contribui para aumentar o potencial competitivo da soja brasileira”, afirma Daniela Ferreroni, gerente de Comunicação e Sustentabilidade da Unidade de Proteção de Cultivos da BASF no Brasil.

Entre os impactos positivos percebidos após a certificação, os produtores veem como benefício imediato a melhora na organização geral da fazenda, tanto na infraestrutura como nos processos internos. A segurança em relação à interpretação e ao cumprimento da legislação foi frequentemente mencionada. Também foi verificado que os produtores têm utilizado os créditos recebidos pela soja certificada para investir em capacitação e treinamentos dos seus funcionários.

Os outros setores como exportadores, indústrias e sociedade civil entendem que a certificação é uma ferramenta importante para o gerenciamento de riscos, garantindo a origem responsável da soja, respondendo à legislação dos países importadores e aumentando a transparência na cadeia de suprimentos.
Também gera valor em termos de imagem e reputação, demonstrando compromisso com exigências de mercado e acionistas. Além disso, impulsiona o desenvolvimento da cadeia de valor e a melhoria contínua, facilitando o diálogo entre públicos de diferentes setores.

A Amaggi foi a primeira empresa do mundo a receber a certificação da RTRS. “Para o grupo, as certificações são essenciais para agregar valor à cadeia e garantir que os clientes estão comprando um produto ambiental, social e economicamente correto”, afirma Juliana Lopes, diretora de Sustentabilidade e Comunicação da Amaggi.

O diagnóstico feito também mostrou que os principais desafios para a certificação estão relacionados à mudança de mentalidade e engajamento dos envolvidos no processo, o desenvolvimento de uma visão de gestão mais robusta dentro da fazenda, bem como a necessidade de enxergar os custos de adequação geral como investimentos de longo prazo.

Em Sorriso a certificação é feita através do projeto Gente que Produz e Preserva, do Clube Amigos da Terra (CAT Sorriso). Atualmente são 17 propriedades certificadas e 8 em processo de certificação no padrão internacional RTRS, que comprova que o agricultor produz, mas também se preocupa com o meio ambiente.

Contato:

O Clube Amigos Da Terra está aberto para receber novos produtores interessados em fazer parte do Projeto Gente que Produz e Preserva. O CAT fica na sala anexa ao Sindicato Rural de Sorriso e o telefone de contato é o (66) 3544-3379.

Visite também o nosso site www.catsorriso.com.br nele é possível conhecer o projeto e ter acesso ao guia passo a passo parasse tornar um produtor de soja RTRS.