fbpx
capaa

Pesquisadores da Unicamp visitam CAT e propriedade rural certificada em Sorriso

Compartilhe nas redes sociais

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no print
Compartilhar no email

Compreender os gargalos da produção brasileira, os sistemas de produção da cultura da soja e milho, que possam informar melhor o mercado e os produtores rurais a como lidar com incertezas de mercado e ambientais. Esse é o objetivo de uma pesquisa desenvolvida pela Universidade Estadual de Campinas, a Unicamp.

Os pesquisadores estão em Mato Grosso para a parte prática do trabalho. Eles querem ouvir os produtores e entender como funciona na prática a produção agrícola, seus desafios e compreender a importância destas commodities na segurança alimentar. “A pesquisa de campo iniciou no Tocantins, depois passamos por Goiás e agora estamos em Mato Grosso. Chegamos no início do mês de maio e ficaremos aqui até o fim de junho passando por municípios que são destaques na produção de grãos”, afirmou o pesquisador, Ramon Bicudo.

O projeto é uma iniciativa do Belmont Fóum e tem financiamento da Fapesp (Brasil), NSF (USA), Nerc (UK) e CAAS (China). É um projeto com foco no fluxo de commodities entre países exportadores (Brasil, USA) / importadores (China) e as consequências desses fluxos no uso da terra em escala regional/local, no centro-oeste brasileiro, no meio-oeste americano e no nordeste chinês.

Como metodologia no trabalho de campo, os pesquisadores conversam com produtores, associações, cooperativas, trading e órgãos públicos. Foi assim com o Clube Amigos da Terra (CAT Sorriso) que recebeu os pesquisadores e indicou produtores rurais para o desenvolvimento da pesquisa. “Nosso município é referência na produção de grãos e o CAT tem feito parte dessa história. Fomos os principais incentivadores do plantio direto e agora temos o projeto Gente que Produz e Preserva que certifica propriedades através das boas práticas agrícolas”, disse a engenheira agrônoma Julia Ferreira que recebeu os pesquisadores Ramon Bicudo e Sara Torres.

Depois de conhecer os projetos da Associação, a dupla foi até uma propriedade certificada em Sorriso. O dono da Fazenda Videirense, Sr. Pedro Vigolo, recebeu os pesquisadores para uma entrevista. No “bate papo” agradável, Pedro contou sua trajetória desde 1978 quando chegou no município até hoje. A família deixou Santa Catarina para apostar na criação de animais, mas perceberam que as terras férteis eram perfeitas para a produção de grãos. “Hoje não me imagino fazendo outra coisa. Agricultura é paixão”, disse Vigolo .

A pesquisa que começou pela soja e milho, futuramente poderá ser expandida para outras culturas com importância para a segurança alimentar como trigo, arroz, carne etc.