fbpx
mini_DSC02139

Mulheres da Poranga concluem curso de empreendedorismo

Compartilhe nas redes sociais

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no print
Compartilhar no email

No sorriso de cada participante a felicidade em concluir o programa “Com Licença, vou a luta”. Ao todo, 17 mulheres do assentamento Jonas Pinheiro, o Poranga, participaram do programa desenvolvido pelo Serviço Nacional de aprendizagem Rural (SENAR), que estimula o empreendedorismo em mulheres do meio rural.

Marlene Spechet participou do curso e é prova de que cada vez mais as mulheres estão conquistando o seu espaço e desenvolvendo ações de liderança nas propriedades rurais. Ela trocou a cidade pelo campo há seis meses e quer tornar a atividade rural a principal fonte de renda. “Aprendi muito no curso com certeza vai ser um marco na minha vida”, comemorou a pequena produtora.

O programa faz com que as participantes percebam o papel importante que representam, tanto na família, na sociedade e porque não, no meio rural.

O programa aborda temas como empreendedorismo, gestão financeira, planejamento do negócio, legislação e liderança. É dividido em cinco encontros com módulos de oito horas por semana e os temas são trabalhados para serem aplicados de forma objetiva à realidade vivenciada nas pequenas propriedades.

De acordo com a instrutora do Senar, Jessica Gubert, o curso possibilita um autoconhecimento. “Dentro do programa traçamos o perfil de cada uma e mostramos que existem qualidades e pontos negativos. São elas que vão definir a melhor forma de aplicar o que apreenderam”, disse a instrutora.

O curso foi viabilizado pelo Sindicato Rural em parceria com o Clube Amigos da Terra (CAT Sorriso), que constantemente oferece as assentadas, através do projeto Mulheres do Campo, cursos e treinamentos para que elas possam aumentar a produção e consequentemente a renda através do Projeto Mulheres do Campo. Para a secretária executiva do CAT, Lenira Arsego, é de extrema importância capacitar as mulheres que estão envolvidas no processo produtivo e na gestão das propriedades. “Buscamos esse programa junto ao Senar por entender que o empreendedorismo ajuda a melhorar a administração da propriedade, seja como chefe de família e/ou empresária rural”.