capa

Embaixador da Holanda visita propriedade certificada em Sorriso

Compartilhe nas redes sociais

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no print
Compartilhar no email

O potencial das lavouras em Sorriso-MT impressionou o embaixador da Holanda, Han Peters. Ele visitou o município para conhecer uma das propriedades rurais e saber como os produtores aqui estão conseguindo conciliar produção com preservação do meio ambiente.

Muita soja produzida nos campos mato-grossenses tem a Europa como destino e por lá, empresas tem exigido que o produto seja de propriedade certificada. É a garantia que os compradores têm de que nas fazendas são utilizadas boas práticas agrícolas, se cumpre a legislação trabalhista e ambiental. “Eu fiquei impressionado com os fazendeiros que estão buscando cada vez mais programas que promovam a sustentabilidade. Conservar o meio ambiente, usar menos defensivos químicos, respeitar os trabalhadores e os povos indígenas é extremamente importante. Fazendas que produzam de forma sustentável vão ter no futuro mais possibilidade de vender, tenho certeza disso”. Garantiu o embaixador.

A visita foi na fazenda Santa Maria da Amazônia. A propriedade é uma das 17 certificadas em Sorriso pelo padrão internacional RTRS de produção de soja responsável. A certificação foi através do projeto Gente que Produz e Preserva do Clube Amigos da Terra, CAT Sorriso. Outras oito estão em processo de certificação.

O presidente do CAT, Darcy Getúlio Ferrarin, não tem dúvida de que esse é o caminho para organizar a propriedade e conquistar o mercado internacional. “A certificação é bom para todas as partes envolvidas. A Holanda é um país de pequenos produtores mas é grande produtora de alimentos e eles estão vindo no Brasil para ver a qualidade do nosso produto. Isso abre mercado pro Brasil na Holanda e outros países vizinhos”, disse Ferrarin.//

O embaixador da Holanda, Han Peters também reforçou que há interesse na promoção de parcerias com o Brasil, principalmente na transferência de conhecimento sobre logística, umas das áreas em que a Holanda mais se destaca, junto com a produção e venda de produtos com alto valor agregado. “Não temos áreas gigantes da Holanda e nem condições de produzir soja. Por isso é importante à troca de experiência entre os dois países”.

Também estavam na comitiva a conselheira de agropecuária da embaixada da Holanda, Patrícia de Vries; Fátima Cardoso e Joyce Brandão da Solidaridad, uma ONG holandesa que promove a produção, processamento e comercialização da soja e o representantes brasileiro da Round Table on Responsible Soy Association (RTRS), Cid Sanches.

Além de Sorriso a comitiva passou por Cuiabá, Lucas do Rio Verde e Alta Floresta.

Também acompanharam a visita Rodrigo Pozzobom, delegado da Associação dos Produtores de Soja e Milho (Aprosoja), Gustavo Piccoli, presidente da Associação Matogrossense dos Produtores de Algodão (AMPA), Nodimar Correia, membro da diretoria do Sindicato Rural de Sorriso, o Prefeito Municipal de Sorriso, Ari Lafin, o vice-prefeito, Gerson Bicego, o secretário Municipal de Agricultura e Meio Ambinete, Sardi Trevisol, representantes do Banco Rabobank, o suplente de Deputado Federal, Xuxu Dalmolin e membros da diretoria do CAT Sorriso.