fbpx

Força Tarefa da RTRS promove debate sobre práticas responsáveis para produção de soja

Compartilhe nas redes sociais

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no print
Compartilhar no email

A Associação Internacional de Soja Responsável (RTRS) promoveu a terceira reunião do ano da Força Tarefa Brasil, em São Paulo-SP. O grupo é composto por representantes de ONGs, indústrias e produtores – entre eles, Basf, Bayer, Amaggi, Monsanto, Cargill, Dupont, Syngenta, Solidariedad, FAPCEN, Agroicone, TNC, IDH, Earth Innovation, INPEV e Cerquality, SLC e Nidera, Grupo GGF, Vanguarda Agro, Cofco Agro, CHS, Aliança da Terra, WWF e o Clube Amigos da Terra, CAT Sorriso.

O objetivo do encontro foi apresentar os resultados do projeto “Impactos da Certificação RTRS no Brasil” realizado pela Fundação Espaço ECO; mostrar os dados atualizados do mercado de venda de créditos, produtores e fazendas certificadas no Brasil, novas parcerias e projetos da Associação; e divulgar como a certificação auxilia o trabalho de órgãos como o Sindiveg, Aged, Inpev e Anvisa.

A Força Tarefa Brasil da RTRS é um espaço de trabalho e colaboração que reúne membros da associação, incentivando o trabalho do mercado global e contribuindo para a construção de políticas públicas, difundindo informação aos produtores e consumidores, fortalecendo assim, o mercado para a soja responsável.

O Brasil é o maior produtor de soja responsável do mundo, são mais de 170 fazendas certificadas, com destaque para as regiões Norte e Centro-Oeste. É um número que cresce devido à divulgação entre os produtores, que ressaltam os benefícios da certificação para as fazendas vizinhas”, destaca o Consultor Externo da RTRS no Brasil, Cid Sanches.

O representante da TNC, Rodrigo Scuri, apresentou o projeto “Colaboração para Florestas e Agricultura”, uma iniciativa multi-setorial para implementar a produção e originação de carne e soja livres de desmatamento em escala. “O projeto se baseia na noção de que a produção agrícola sem desmatamento pode ser aumentada e acelerada mundialmente por meio de empresas multinacionais que podem viabilizar padrões e incentivar a adoção de melhores práticas por produtores”, comenta.

Gisela Introvini, da Fundação FAPCEN, ressaltou o trabalho realizado para o desenvolvimento sustentável do Corredor Norte do país. “A certificação RTRS tem nos auxiliado a conscientizar os produtores a produzir com sustentabilidade e trabalhar com o tripé ambiental, social e econômico por meio do Padrão RTRS, aplicável mundialmente”, garante.

Uma das metas para o próximo ano da Força Tarefa Brasil da RTRS é aumentar o engajamento e participação da indústria alimentícia e supermercados brasileiros. “Conscientizar o consumidor brasileiro sobre as melhores práticas adotadas nas fazendas e, assim, aumentar a exigência por soja certificada é também um compromisso para 2017”, finaliza Cid Sanches.

É parte do desafio da RTRS trabalhar para se consolidar como uma mesa redonda e ser reconhecida como fórum de diálogo que inclua e integre múltiplos atores, como produtores, indústria, sociedade civil, governo e entidades financeiras com objetivo de trocar experiências, identificar necessidades e construir conjuntamente soluções e ações concretas.