fbpx
CAPA

Senar e CAT promovem curso sobre normas de saúde e segurança do trabalho

Compartilhe nas redes sociais

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no print
Compartilhar no email

As boas práticas de produção também são reconhecidas pelos países que compram a nossa soja e vão se tornando exigência desses mercados.
Muitos produtores apostam em programas e cursos que dão orientações referentes à legislação, pra adequar quem estiver fora das normas de saúde e segurança do trabalho.


Em sorriso, o Clube Amigos da Terra (CAT Sorriso) em parceria com o Sindicato Rural de Sorriso e o Serviço Nacional de Aprendizagem Rural de Mato Grosso, o Senar- MT tem oferecido essas capacitações para produtores e funcionários.

O operador de máquina, Luciano Vieira de Almeida, aproveitou a oportunidade e participou do curso de norma regulamentadora de segurança e saúde no trabalho na agricultura e pecuária, a chamada NR-31. Funcionário da fazenda Santo Antonio, a experiência no campo não impediu que o trabalhador se qualificasse ainda mais. “Eu tinha feito esse curso há cinco anos mas aprendi coisas novas e achei importante participar”, afirmou o trabalhador.

O curso é praticamente todo com aulas teóricas. A parte prática consiste em simular e demonstrar como colocar e retirar os equipamentos de proteção individual, os EPI’s. O instrutor do Senar, Leandro Chimanko, explica que além de importante para o trabalho, o curso é uma exigência legal. “Os empregadores sabendo dessa exigência de norma e que serão cobrados por isso já dão preferência para que o trabalhador tenha esse curso na hora da contratação”.

Além de uma exigência da lei, os cursos profissionalizantes evitam acidentes de trabalho, consequentemente ações trabalhistas e prejuízos para todas as partes. “Ninguém ganha com acidente de trabalho. Não é bom pra quem se acidenta, não é bom pro empregador, nem pro governo. Dados estatísticos mostram que 90% dos acidentes de trabalho acontecem por falha do trabalhador portanto, é possível prever sim e tem meio de fazer isso”, garantiu o instrutor do Senar.

E o ideal, segundo Leandro Chimanko, é que a capacitação seja contínua. “Não precisa esperar cinco anos. As normas estão sempre sendo atualizadas e por mais que ele saia do curso ele não grava 100% as informações e esquece com o tempo. Um ano, no máximo dois, é ideal para a capacitação”, explicou o instrutor.

A mesma turma, formada por 17 alunos, também participou do curso de lavagem de EPI’s com o instrutor do Senar Rubens Loureira Carpanezi.

Os cursos são exigências do processo de Certificação da Soja do Projeto “Gente que Produz e Preserva”.
 
Apoio:
 
O projeto “Gente que Produz e Preserva”, do Clube Amigos da Terra, o CAT, está sendo desenvolvido em parceria com a WWF Brasil, Bel,

Solidariedad e IDH.