CAPA

Projeto Gente que Produz e Preserva surpreende representantes da WWF Internacional

Compartilhe nas redes sociais

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no print
Compartilhar no email

Depois dos franceses foi à vez dos representantes da WWF Holanda, Inglaterra e Estados Unidos conhecerem de perto as ações desenvolvidas pelo projeto Gente que Produz e Preserva, do Clube Amigos da Terra (CAT Sorriso).

Emma Keller, Kate Schaffner e Sandra Mulder, integram o grupo de trabalho da soja, da WWF. Elas visitaram na capital Nacional do Agronegócio, propriedades rurais certificadas e viram com os próprios olhos o que já conheciam no papel. “Nós achamos que é um projeto maravilhoso, porque realmente engajou os produtores e é isso que precisamos fazer”, afirmou Sandra Mulder.

Conhecer a realidade da agricultura de grande escala também deixou Emma Keller impressionada. “O projeto realmente está ajudando os produtores a melhorarem suas práticas de produção. Na propriedade que visitamos, o agricultor Vilson Graebin, estava muito orgulhoso e interessado em nos mostrar o que mudou e o que está fazendo para adequar a fazenda às exigências do projeto”, contou Keller.

Emma Keller disse ainda que sentiu a confiança dos produtores no CAT. “Na minha perspectiva a abertura e a honestidade que encontramos nos produtores não é só mérito dos produtores, mas também mérito do CAT, que realmente construiu um programa baseado na confiança e isso é extremamente necessário quando vamos dividir o caminho que leva em direção a uma soja sustentável”, concluiu.

Pelo terceiro ano, A WWF França assim como a WWF Brasil são parceiros do CAT no projeto Gente que Produz e Preserva. Tudo começou com uma conversa informal com uma empresa de laticínios francesa, que atua em nível mundial, a Bel. O grupo identificou o potencial produtivo de Sorriso e junto com o CAT apostou na produção sustentável. Hoje temos nove propriedades certificadas no padrão internacional RTRS, que comprova que o agricultor produz, mas também se preocupa com o meio ambiente. Outras 18 estão em processo de certificação.

Para o CAT foi mais uma oportunidade de mostrar os resultados do projeto e também se colocar como uma organização que atua, de forma efetiva, nessa área. A diretora de sustentabilidade do CAT, Cynthia Moleta Cominesi, garante que o projeto tem mostrando um caminho para os produtores rurais de Sorriso e região. “Quem entrou no projeto percebe a cada dia que é possível adequar a produção com a questão ambiental e ainda ter uma série de benefícios”.

No início deste ano, os produtores certificados de Sorriso receberam mais de meio milhão com a venda dos bônus da soja certificada. O pagamento encerrou o primeiro ciclo da certificação e representa um compromisso que os produtores assumiram com o projeto: Produzir e Preservar.