fbpx
capaa

CAT participa de debate sobre instalação de laticínio em Sorriso

Compartilhe nas redes sociais

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no print
Compartilhar no email

O Clube amigos da Terra, CAT Sorriso, participou ontem (19), de uma reunião com representantes do Poder Público Municipal, a Empaer, Sindicato Rural, Sebrae e produtores rurais, para tratar da instalação de uma usina de beneficiamento de leite e derivados lácteos no Assentamento Jonas Pinheiro.

A previsão é que inicialmente sejam beneficiados no local três mil litros de leite diariamente. Contudo, de acordo com a equipe técnica da Secretaria de Agricultura e Meio Ambiente, as instalações irão comportar até cinco mil litros de leite/dia.

O prefeito Dilceu Rossato explicou que estão em fase final o projeto técnico e o levantamento de custos do projeto. “Finalizando isso, serão 45 dias para a licitação da aquisição do material e após isso daremos início à estruturação do espaço. Nosso objetivo é entregar essa estrutura o quanto antes para os produtores poder trabalhar”, garantiu o prefeito.

Segundo o produtor rural Márcio Kuhn, os agricultores formaram uma comissão com as entidades e criaram um plano de trabalho para por em prática assim que a usina estiver em funcionamento. A intenção, segundo ele, é disponibilizar o espaço para uso de todos os produtores da bacia leiteira.

No momento, 24 produtores rurais do Assentamento Jonas Pinheiro e do Projeto Casulo integram o projeto Balde Cheio e produzem aproximadamente três mil litros de leite por mês. O programa é desenvolvido no município pelo Sebrae, CAT, Cooperideal, com o apoio da SAMA, Sindicato Rural e Empaer.

O engenheiro agrônomo do CAT, Rafael Borges, responsável pela assistência técnica do programa, ressalta que quando o mesmo foi implantando algumas propriedades produziam cerca de 150 litros de leite mensais e hoje chegam a 290 litros/mês. “Estamos tendo uma grande evolução, iniciamos sempre com uma conversa com o produtor. Muitos têm como meta chegar a 500 litros, então todo o apoio é importante”, destacou.

Uma das possibilidades para incrementar a produção, após a instalação da usina de beneficiamento discutida na reunião, é comercializar o leite diretamente com a Prefeitura Municipal. “Podemos verificar a possibilidade de adquirir para a merenda escolar como produto da agricultura familiar”, salientou o prefeito. Ao ano, são consumidos 47 mil litros de leite na merenda escolar.

Garantir um mercado para a produção leiteira, inicialmente com a comercialização para a merenda escolar e no mercado local, é inclusive uma das metas do plano de ação já elaborado pela comissão. Outra meta é comercializar 10 mil litros de leite/dia a partir do primeiro ano de funcionamento da usina, bem como assegurar apoio técnico profissional e de vigilância sanitária.