fbpx
normal_DSC08617

Agricultores suiços visitam propriedades rurais certificadas em Sorriso

Compartilhe nas redes sociais

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no print
Compartilhar no email

De férias no Brasil um grupo de suíços incluiu no roteiro da viagem, visita a duas propriedades rurais de Sorriso. Moradores da pequena comunidade de Daillens, na Suiça, o grupo formado por seis pessoas, soube do Projeto “Gente que Produz e Preserva” e resolveu ver com os próprios olhos que é possível produzir respeitando o meio ambiente.

No município que leva o título de “Capital Nacional do Agronegócio”, a intenção era conhecer a produção de soja responsável já que a Suíça foi um dos primeiros países a discutirem os princípios para importação de soja sustentável no ano de 2004. Foi a partir da WWF da suíça (Fundo Mundial pela Natureza) e os supermercados COOP, segunda maior rede da Suíça, que se começou a discussão para estabelecer critérios ecológicos para a compra de soja proveniente da América do Sul.

Na época a ideia era atrair a atenção do consumidor suíço para o desmatamento abusivo de florestas e incentivar produtores do Brasil, Argentina, Bolívia e Paraguai a produzir de forma sustentável para garantir espaço no mercado internacional no futuro.

Michel Lugeon está no Brasil pela décima primeira vez. É o único do grupo que fala português fluentemente. Ele conta que na propriedade de 70 hectares na suíça, produz beterraba, batata, girassol, canola e tem também gado e frango. “As áreas destinadas a agricultura no Brasil são enormes. Sempre que venho fico impressionado com a imensidão verde destinada a soja”, disse entusiasmado.

O grupo visitou as fazendas Santa Maria da Amazonia e Santana. As duas propriedades e outras 7 (Jaborandi, São Felipe, Dakar, São Marcos, Videirense, Cella e Berrante de Ouro) foram certificadas em setembro de 2015 no padrão internacional RTRS (A Round Table on Responsible Soy). Isso significa que a produção vem de uma fazenda que segue princípios básicos ambientais e sociais. A certificação das propriedades foi através do projeto “Gente que produz e Preserva” do Clube Amigos da Terra (CAT Sorriso), com o apoio da WWF Brasil, Solidariedad, IDH e Bel.

Os agricultores Dudy e Nando Paiva, donos da fazenda Santana abriram as porteiras para receber os suíços. No ano passado o casal também conheceu algumas propriedades rurais na Hollanda. “Eu acho super interessante essa troca de informações. Quando fomos para a Holanda vimos a realidade deles que é totalmente diferente da nossa. Apesar das propriedades serem menores, na Europa o produtor rural é valorizado e tem muito incentivo do Governo”, contou Dudy.

Informação confirmada por Michel Lugeon. Onde mora, o governo exige a manutenção de 7% de reserva legal. Para isso paga ao dono da área um subsídio quase maior do que o ganho com a produção dos produtos. “Eles fazem isso para tentar manter o pouco de área verde que sobrou na Europa”, afirmou Lugeon que também ficou impressionado com o plano de gestão das propriedades inseridas no projeto.

Os produtores suíços também conheceram propriedades e uma Fundação no município vizinho, Lucas do Rio Verde e na capital, Cuiabá, estiveram na sede da Associação dos produtores de Soja e Milho de Mato Grosso, a Aprosoja.