fbpx
normal_DSC08266

Auditores vão a campo para iniciar trabalho de certificação em novas propriedades de Sorriso

Compartilhe nas redes sociais

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no print
Compartilhar no email

O processo de certificação internacional RTRS (A Round Table on Responsible Soy) continua a todo vapor em Sorriso. Além de acompanhar o trabalho nas nove propriedades já certificadas o Clube Amigos da Terra (CAT Sorriso) inicia agora a pré-auditoria no segundo grupo de produtores do município que estão em busca do diferencial.

A certificação está sendo feita através do projeto Gente que Produz e Preserva, e começou em novembro de 2013. Nas visitas, os auditores fazem um levantamento da parte estrutural e documental da fazenda para depois traçar um plano estratégico para que sejam cumpridos os 100 indicadores, classificados como de curto e médio prazo, exigidos pela RTRS.

O segundo grupo é formado por 13 produtores rurais que ao entrar no projeto, de forma voluntária, selaram compromisso com a responsabilidade social e ambiental e precisam seguir cinco princípios básicos do padrão RTRS de produção: cumprir as leis e as boas práticas de negócios, oferecer boas condições de trabalho, respeitar e criar vínculos com as comunidades locais, cuidar do meio ambiente e adotar boas práticas agrícolas. O novo grupo inscreveu 24 fazendas são elas: Cambará, Pluma, Pedra, Alegria, Nossa Senhora da Salete, Santo Antonio, São João, Gamada, Soledade, Pinhal, Rio Vermelho, Boa Vista e mais 12 propriedades do Grupo Guerino Ferrarin (GGF) de Lucas do Rio Verde.

A certificação garante benefícios administrativos, econômicos, sociais e ambientais aos produtores. Administrativos porque melhora e gestão e a metodologia de trabalho; econômicos porque dá aos produtores oportunidade de acesso a mercados internacionais, acesso a programas de financiamento e recompensa pela venda do grão produzido na propriedade certificada (1 crédito por tonelada de soja certificada); ambientais pois utiliza o plantio direto, o manejo integrado de culturas reduzindo assim o impacto ambiental mantendo a biodiversidade e o alto valor de conservação e; sociais, ao motivar colaboradores em prol de melhorias contínuas, diminuir a rotatividade de funcionários, reduzir os acidentes de trabalho e melhorar as relações com a comunidade.

O CAT acompanha todo o processo de adequação nas propriedades. Para a diretora de sustentabilidade do Clube Amigos da Terra, Cynthia Moleta Cominesi, a certificação do primeiro grupo abriu as portas para novos produtores. “Os agricultores provaram que é possível produzir conservando o meio ambiente e ainda ter muitos ganhos com isso. O segundo grupo vem com a certeza de que a certificação vale a pena”, afirmou a diretora.

As primeiras propriedades foram certificadas em Sorriso em setembro do ano passado. Um feito inédito na capital Nacional do Agronegócio que agora além de ser o município maior produtor de soja do mundo mostra que também está preocupado com as futuras gerações.

As fazendas certificadas são: Jaborandi, São Felipe, Dakar, São Marcos, Santana, Videirense, Cella, Berrante de Ouro e Santa Maria da Amazônia (juntas totalizam aproximadamente 21.500 hectares).?

O Clube Amigos Da Terra está aberto para receber novos produtores interessados em fazer parte do Projeto Gente que Produz e Preserva.
O CAT fica no segundo piso do Sindicato Rural de Sorriso e o telefone de contato é o (66) 3544-3379.
Visite também o nosso site www.catsorriso.com.br nele é possível conhecer o projeto e ter acesso ao guia passo a passo para se tornar um produtor de soja RTRS.