normal_DSC08093

Projeto de Agroecologia reúne pequenos produtores em último dia de campo do ano

Compartilhe nas redes sociais

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no print
Compartilhar no email

Com um balanço muito positivo foi realizado o último dia de campo de 2015 junto aos pequenos produtores da agricultura familiar do Assentamento Jonas Pinheiro. Incentivar boas práticas é uma das ações do projeto Gente que Produz e Preserva do Clube amigos da Terra (CAT Sorriso), através dos conceitos da agroecologia.
Em seis meses de trabalho, as quinze famílias que participam das atividades receberam orientações técnicas, trocaram experiências e aplicaram em suas propriedades sistemas mais produtivos e sustentáveis para aumetar a produção reduzindo custos.

O encontro foi no sítio Nossa Senhora Aparecida, do Sr. Expedito dos Santos, a unidade demonstrativa onde o CAT montou uma vitrine agroecológica. Quem acompanha o trabalho desde o início, percebeu que foram muitas as mudanças na propriedade. A horta recebe adubo orgânico produzido através da compostagem. A rotação de cultura e a adubação verde também são conceitos implantados na vitrine. O resultado é produto orgânico com qualidade pronto para ser vendido na feira para os consumidores mais exigentes e que se preocupam com a saúde.

As assistências técnicas foram levadas mensalmente através de consultores do Serviço de Apoio as Micro e Pequenas Empresas em Mato Grosso, o Sebrae-MT e técnicos do CAT. Foram verdadeiras aulas a céu aberto garante Glaucinei Brissow Realto. “Já avançamos muito mas, ainda temos muito trabalho pela frente. O mercado tem espaço para aqueles que querem trabalhar com produtos diferenciados”, garantiu o consultor do Sebrae. Além de consultor, Glaucinei também é pequeno produtor no município de Alta Floresta. Lá ele apostou na produção de tomate e não vence atender a demanda. “Quando a cidade não tem um produto que o consumidor procura é preciso buscar fora e com isso perdemos espaço. Por isso, depois de aprendermos a produzir temos que busca da certificação para ganhar espaço no mercado local”.

A certificação orgânica é um dos objetivos do projeto. Para isso acontecer, a secretária executiva do CAT, Lenira Arsego, garante que será dada prioridade para os pequenos produtores com interesse em receber as orientações e aplica-las na propriedade. “O CAT apostou no projeto, trouxe o consultor e disponibiliza um engenheiro agrônomo para ajudar os assentados porém, é preciso que eles tenham interesse e façam a parte deles. Em 2016 vamos investir na divulgação dos produtos e na busca pelo selo para ganhar espaço e as gôndolas dos supermercados”.

O técnico e engenheiro agrônomo do CAT, Rafael Borges, está confiante quanto a esse passo importante. “Depois que eles aprendem as técnicas ela se torna rotina na propriedade e os ganhos em produtividade e lucro vem naturalmente”, afirmou Borges.

Apoio

O projeto conta com o apoio da WWF Brasil, Solidariedad, IDH e Bel.