fbpx
normal_DSC07242

“Balde Cheio” orienta assentados em nova fase do projeto

Compartilhe nas redes sociais

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no print
Compartilhar no email

Famílias dos assentamentos Jonas Pinheiro e Casulo, integrantes do “Balde Cheio” participaram de mais uma etapa do projeto. Na sexta-feira (25), consultores do Sebrae e da Cooperideal, juntamente com o engenheiro agrônomo do CAT estiveram na unidade demonstrativa (UD), levando orientações e novos instrumentos de trabalho.

Pensando no período da seca do ano que vem, a equipe definiu a área de plantio da cana de açúcar, um dos ingredientes da mistura servida de alimento para os animais. Também orientou os assentados sobre a melhor maneira de plantar com profundidade e espaçamento corretos para que o canavial dure no mínimo cinco anos. A consultora do Sebrae/MT, Samara Valera, esclarece que Sorriso tem uma vantagem em relação a outros municípios. “Aqui tem muitos subprodutos que são utilizados na ração animal. Junto a cana de açúcar, o pasto e a cilagem podemos adicionar resíduos de soja, de feijão, arroz e milho que temos em quantidade abundante e com preço acessível”, completou a consultora.

Somente ajustando a dieta dos animais foi possível ver melhoras significativas. Na propriedade do Sr. Leocir Wesp, no assentamento Jonas Pinheiro, a dieta passada pelos consultores aumentou a produção e reduziu custos. “Quando começou o projeto, em março deste ano, eu tinha 11 animais que produziam 110 litros/dia. Hoje tenho duas vacas a mais e a produção mais que dobrou. Diariamente são 243 litros”, comemorou Wesp.

Para estabelecer a dieta é levado em conta o peso vivo do animal e o que ele precisa de energia e proteína para se manter e ainda para atingir a média estimada de leite. A mudança evitou desperdícios e aumentou a produção.

No dia de campo, a equipe também levou a UD um quadro reprodutivo. Ele será a nova ferramenta de trabalho dos assentados. Com ele será possível monitorar e controlar o rebanho. “Com o quadro temos informações importantes como a previsão dos partos, a persistência de lactação e assim fica mais fácil para o produtor se organizar. A ferramenta proporciona o diagnóstico reprodutivo, exemplo, sabemos que a vaca ao atingir o sétimo mês de prenhes ela passa pelo processo de secagem de sessenta dias, até a próxima parição. Neste período ela não vai dar leite, ai caso o produtor queira, pode investir em um novo animal, para manter uma produção de leite de forma contínua“, explicou o consultor da Cooperideal, credenciado pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), Juliano Alarcon.

Em cada visita, os profissionais reiteram a importância de seguir as orientações técnicas. “É o comprometimento do produtor que vai definir o sucesso da atividade. Nós estamos aqui pra ajudar”, afirmou o engenheiro agrônomo do CAT, Rafael Borges.

Juliano Alarcon lembrou que os quatro anos do projeto podem ser divididos em etapas. “O primeiro ano é de aprendizagem; o segundo de ampliação; o terceiro é o momento de ajustar a estrutura da propriedade e no quarto ano à maioria já chegou ou ultrapassou a meta estabelecida”.

No primeiro dia de campo, no mês de agosto, os assentados receberam orientações sobre manejo de pastagem, planejamento e a importância da adubação. Três pilares fundamentais para tornar a propriedade ainda mais lucrativa. O próximo encontro está marcado para os dias 23 e 24 de novembro. Lembrando que mensalmente os técnicos visitam as propriedades para orientar os integrantes do projeto.

O programa Balde Cheio é uma iniciativa promovida pelo Serviço de Apoio as Micro e Pequenas Empresas em Mato Grosso (Sebrae-MT), juntamente com o Clube Amigos da Terra (CAT), em parceria com o Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Sorriso, a Empresa Mato-grossense de Pesquisa, Assistência e Extensão Rural (Empaer) e a Prefeitura Municipal.

Além dos parceiros envolvidos, a execução do Balde Cheio – é mais uma ação do Projeto Gente que Produz e Preserva, do CAT Sorriso, conta com o apoio da WWF Brasil, Solidariedad, IDH e Bel.