normal_produtores_1

CAT reúne produtores que vão participar do projeto Gente que Produz e Preserva

Compartilhe nas redes sociais

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no print
Compartilhar no email

Com objetivo de apresentar as possibilidades de melhorias na gestão da propriedade e de uma produção mais sustentável, o CAT – Clube Amigos da Terra, reuniu na quinta-feira, dia 05, no auditório do Hotel Ana Dália, os produtores que se inscreveram no Projeto Gente que Produz e Preserva para receber as primeiras orientações.Com objetivo de apresentar as possibilidades de melhorias na gestão da propriedade e de uma produção mais sustentável, o CAT – Clube Amigos da Terra, reuniu na quinta-feira, dia 05, no auditório do Hotel Ana Dália, os produtores que se inscreveram no Projeto Gente que Produz e Preserva para receber as primeiras orientações.

A apresentação foi feita pelo analista de políticas e economia agropecuária do ICV – Instituto Centro Vida de Cuiabá, Francisco Beduschi Neto. “A ideia é esclarecer aos produtores que hoje a gente tem caminhos pra conciliar a preservação ambiental e a produção. E o que a gente pretende é testar e verificar a viabilidade disso tudo junto com eles.

Silvane Gazola, é uma das produtoras inscritas no projeto que acredita que é possível alcançar essa excelência para conseguir a certificação. “Eu acho que é uma tendência a nível mundial, que te dá suporte principalmente no âmbito social e ambiental, que é o que pesa bastante para os agricultores.

O produtor Luis Carlos Scapuncin já está há algum tempo buscando melhorar a gestão da sua propriedade com uma produção mais sustentável, e acredita que todas as forças que vierem pra ajudar são bem vindas. “Isso nos incentiva a continuar, porque é um processo continuo. Não tem fim e está em constante aperfeiçoamento. Produzir com sustentabilidade é uma realidade possível de ser alcançada em todo país. Só depende, primeiramente, da consciência individual, e depois coletivamente.

Ainda segundo o analista Francisco Beduschi Neto, tornar a produção de soja sustentável vai ser mais fácil do que o produtor pensa. “O produtor é a favor da preservação. Até porque, o meio onde ele trabalha, a terra, é o maior patrimônio que ele tem Então por definição ele é um preservacionista. O que acontece é que as vezes ele não esta fazendo o que tem que ser feito por desconhecimento, ou por receio. E nós, através desses que já estão engajados no processo, queremos conquistar cada vez mais produtores e ganhar escala nisso.

O projeto já está em andamento. As propriedades pilotos já forma definidas e de acordo com a analista de conservação da WWF Brasil, Cynthia Moleta Cominesi, o encontro também serviu para orientar quais serão os próximos passos. “Agora vamos dar inicio ao trabalho dentro das propriedades fazendo um diagnóstico para saber como está a parte da gestão, a questão ambiental, a questão trabalhista, e ai sim, elaborar um plano de trabalho em conjunto com o produtor, para fazer a implementação da melhorias na fazenda.”

Junior citou também a entrevista que saiu recentemente na revista Veja com a presidente da WWF, e disse que até mesmo as ONG’s que até pouco tempo criticavam demasiadamente o produtor, estão ajudando a classe a melhorar a propriedade e torná-la mais sustentável. “Esse espaço para diálogo, para a conversa, vai nos trazer ainda mais conhecimento. E logo logo todo mundo vai passara a ver o produtor com bons olhos.

O projeto Gente que Produz e Preserva será realizado até 2016 com o apoio do CAT – Clube Amigos da Terra, Instituto Centro de Vida, Bel, WWF, Solidariedad e IDH.