fbpx
normal_ricardo

Ricardo Amorim fará a abertura do 3º Encontro de Sistemas Produtivos em Sorriso

Compartilhe nas redes sociais

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no print
Compartilhar no email

Com o objetivo, de demostrar a importância da economia agrícola no país, o CAT – Clube Amigos da Terra e o Sindicato Rural de Sorriso convidou para fazer a abertura do 3º Encontro Regional de Sistemas Produtivos, o palestrante Ricardo Amorim.

Economista, consultor e apresentador do programa Manhattan Connection da Globonews, Amorim vai palestrar sobre o tema “Agronegócio: O motor do Brasil” e mostrar que o mundo mudou muito na última década. “Desde o início do milênio, o centro de gravidade da economia mundial vem se deslocando dos Estados Unidos e Europa para os mercados emergentes. O Brasil se beneficiou de um forte crescimento na procura por matérias primas, um aumento significativo da oferta de capitais para financiar investimentos e consumo por aqui.”

Ainda segundo Amorim, entre 2004 e 2010, o PIB brasileiro cresceu 2,5 vezes mais rápido do que nos 25 anos anteriores. “Em outras palavras, o Brasil foi temporariamente condenado a crescer. Entretanto, nos últimos 3 anos, o crescimento do PIB brasileiro se desacelerou à medida que dois fatores de produção, antes amplamente disponíveis – infraestrutura e mão de obra – tornaram-se escassos. Neste cenário, a importância do agronegócio para a economia brasileira cresceu ainda mais. No ano passado, o setor sozinho foi responsável pela metade do crescimento do país.

Por isso, o economista afirma que chegou a nossa vez. “Nas últimas décadas, os emergentes cresceram muito mais do que os países ricos. Desde a entrada da China para a Organização Mundial do Comércio em dezembro de 2001, mais de 3/4 do crescimento do mundo veio dos países emergentes e menos de 1/4 dos EUA, Europa e Japão. E isto deslocou as maiores oportunidades de negócios para cá. Neste cenário, o agronegócio brasileiro conseguiu expandir seu superávit comercial de US$ 9 bilhões em 2003 para US$ 83 bilhões no ano passado.”  

De acordo com Amorim, a fome chinesa e indiana por alimentos e matérias primas brasileiras deve continuar por mais duas ou três décadas. Por isso, as cidades do interior devem continuar a crescer mais do que as capitais dos estados, assim como a região centro-oeste, que também deve continuar a crescer mais do que o resto do Brasil. “O fluxo migratório no país inverteu-se e, nos últimos anos, houve mais gente saindo das capitais dos estados e mudando-se para as cidades do interior do país do que o inverso. Além disso, no ano passado, a geração de empregos nas cidades do interior foi quase o dobro da das capitais. Com as boas perspectivas para o agronegócio e as dificuldades de diversos setores da indústria manufatureira, este cenário deve se repetir em 2014.”, conclui o economista.